Diário de um Crohnista

Quando um problema não cabe na mente e acaba transbordando pelo corpo

  • Informações

Talvez você nunca tenha parado para pensar mas eu acredito que somos o acúmulo de tudo o que fazemos, pensamos, dizemos e guardamos dentro de nós, porque afinal, é isso que vamos deixar. Muitas vezes, aquilo que acreditamos do que somos capazes, acaba se tornando verdade, antes mesmo de ser. Carregar um excesso de sentimentos negativos pode causar muitas coisas, além do stress. Hoje em dia, já é comprovado a grande influência mental e emocional em nossa saúde.

Na área da psicologia isso se chama Somatização; transformar conflitos psíquicos em afecções de órgãos ou em problemas psicossomáticos. Claro, nem toda doença que temos é causada por isso, mas todos os problemas que não cabem na nossa mente, acaba transbordando pelo corpo na forma de doença. Como isso acontece?

Quando você acumula dentro de si tudo que deveria se livrar; stress, sentimentos negativos, situações não resolvidas, acaba gerando a “somatização”, causando algum problema físico. Isso é uma forma do nosso corpo avisar de que não está suportando as preocupações. Isso envolve o sistema muscular, respiratório, cardiovascular, entre outros.

Raiva, paixão, tristeza, medo e uma série de emoções causam alterações no organismo, liberando ou inibindo a produção de substâncias, como adrenalina, cortisol e serotonina. Apesar de mudar de pessoa para pessoa, a somatização é explicada cientificamente.

Quando uma pessoa fica durante muito tempo submetido a uma situação diferente, ela desencadeia mudanças no sistema nervoso autônomo, responsável pelos batimentos cardíacos, temperatura corporal, digestão, respiração e sexualidade. Além disso, provoca mudanças no sistema endocrinológico, que produz uma série de hormônios, e no sistema imunológico, responsável pela defesa do organismo.

Desse modo, a bagunça no corpo começa e os sintomas aparecerem – o local escolhido depende da predisposição genética de cada pessoa. “-O indivíduo tende a somatizar nas áreas do corpo que já estão mais fragilizadas ou já tiveram um problema no passado. Isso depende das reações e da composição física de cada pessoa”, afirma o Dr. Leonard Varea.

Acreditando ou não, isso fez muito sentido pra mim, quando fui diagnosticado com Doença de Crohn, eu andava preocupado com tantas coisas, stress num trabalho que eu não gostava, as provas no final da faculdade, a separação dos meus pais. Não me surpreendi quando tive problemas no intestino, porque quando criança eu tive um caso parecido, fiz alguns exames mas passou e nunca cheguei a saber exatamente o que era exatamente.

Lembro muito bem do meu sentimento antes e depois da consulta quando soube do Crohn, tirei um peso enorme das costas quando a Doutora disse que nenhuma das minhas preocupações são mais importantes do que minha saúde. E realmente não são, quase todos nossos problemas são passageiros, mas precisamos do nosso corpo bem pra supera-los. Agora me permita te contar segredo: tudo tem a importância que dermos para tais coisas. Falando mais profundamente, nossa realidade é criada em nossa mente, através da percepção dos nossos 5 sentidos; ouvindo, sentindo, olhando as coisas, algumas vezes não podemos mudar o mundo em nossa volta, nossos problemas, mas podemos mudar a nossa percepção sobre eles, olhar por um outro lado, pensar a longo prazo, isso fará toda diferença. Converse sobre seus problemas com algum amigo, um psicólogo, desabafe, não carregue esse peso sozinho. Se lembre, nosso corpo é apenas o reflexo do estado da nossa mente, por isso cuide bem dela, que você estará cuidando do seu corpo também.

Comentários

comentários

Sobre mim

Meu nome é Sérgio Junior, eu tenho 25 anos e sou portador da Doença de Crohn desde 2014, uma Doença Inflamatória Intestinal (DII), autoimune, sem cura e com causa desconhecida. Mesmo com a doença, pude conquistar muitas coisas e hoje ter uma vida normal. Criei esse blog pra ser mais uma fonte de informação, ajudar os outros portadores, divulgar as DII’s para sociedade e mostrar que é possível viver bem com uma DII.